quinta-feira, 7 de maio de 2009

sartriana

.
.
.




o ser humano é um ser
sem relação com o que não pode conhecer

o ser
humano é
pelo que pode conhecer

o ser
humano é em relação a uma ignorância original
e tem uma relação profunda com esta
ignorância

insiste sobre a presença do ser
que não pode alterar

insiste sobre a construção
mas não age para compreender

não vive, pressente
tem pesadelos com o futuro

a verdade é uma história do ser
a verdade desaparece com o ser
humano

o ser
então
cai

na noite sem data...







fernando cisco zappa...



.

10 comentários:

Tenório disse...

instigante... parece uma aula...

Audemir Leuzinger disse...

poema bonito.
e lembra sartre no melhor dele. na inquietacao humana das perguntas.

Compulsão Diária disse...

Sim!
O ser é antes de saber- se

É mentir-se que o atira na noite sem data (memória)

Pode parecer aula para o Tenório. Pra mim é poesia pura.

Abraço

TON disse...

O "eu" fora do agora. O conflito do ser com o compreender.

A cada leitura, uma percepção diferente, que completa ou conflita com a anterior.

Puro poema da alma (ou será da mente?).

l. rafael nolli disse...

Poema que instiga o cidadão a pensar nessa coisa que é o ser humano! Gostei!

fc disse...

O pensamento é alimento para todas as sensações, muito bom o trabalho de o mostrar revelador duma identidade que merece a nomeação e atenção; Sartre seria o primeiro a apreciar o horizonte do poema como instância de reflexão.

sidnei olívio disse...

Uma visão poética criativa e instigante do ser humano que jamais foi o que deveria ser: poético, ao invés de ser tão "humano". Como sempre, Fernando, vc supera os liames da poesia. Abraço.

Elaine Siderlí disse...

"insiste sobre a construção
mas não age para compreender"

Isto é fato!
Adorei.



bjus.


Elaine Siderlí.

Joe_Brazuca disse...

o ser humano é imagem
imagem é luz e sombra
luz é espírito
sombra é paz
paz é ação

imagem_em_ação

Benny Franklin disse...

Teu poema, é de prima! Poemaço com pêndulo!