sábado, 16 de maio de 2009

O BEIJO

Os teus lábios,
me engoliam
hora em palavras, hora em gemidos
num sugar duplo

Os teus lábios,
me feriam
hora em palavras, hora em soluços
num dizer único

Os teus braços,
me abraçavam
hora em desespero, hora em desejo
numa entrega dupla

Os teus braços,
me largavam
hora em desprezo, hora em lampejo
numa despedida única

As tuas pernas,
me enlaçavam
hora retendo, hora largando
numa volúpia dupla

As tuas pernas,
me deixavam
hora voltando, hora partindo
numa incerteza única

Ora, ora, ora...
Os teus lábios,
Todos eles.

7 comentários:

Adriana Godoy disse...

O que dizer?? É o seu beijo poético, sensual, sedento.

cristinasiqueira disse...

LINDO!

Tudo é ...lábios.
Delicioso.

Convido voce,poeta,a visitar o espaço www.cristinasiqueira.blogspot.com
aí a Querida Querubim tece o enredo de um história.

Até mais,beijos,


Cris

Renata de Aragão Lopes disse...

Ton,

você fez sinônimas palavras que, em verdade, guardam entre si um certo antagonismo: dupla e única. Adorei essa audaciosa alternância ao longo dos versos!

O poema é de deliciosa leitura. A conclusão... Ora, ora, ora... Encantadora.

BAR DO BARDO disse...

Adoraria esses lábios aqui...

A menininha disse...

LINDOOOO

Compulsão Diária disse...

poético não é dizer bonito. é bem dizer assim muito bem construído e cuidado.
magnífico poema.

Assis de Mello disse...

Belíssimo poema sobre as pétalas que sempre nos desconcertam. Schlep.