quarta-feira, 4 de março de 2009

O BEIJO ENTALHADO.

O Beijo Entalhado ( Fabio Terra)

Entalho meu beijo no teu rosto
tão profundo quanto a carne possa suportar
Amarro o teu corpo com meu abraço
tão forte quanto a âncora da nau vida possa segurar.

Espeto o meu olhar desesperado em teus olhos
esperando uma lágrima amor do teu alvo rosto
Deixo meu hálito em teu dorso
Como, se por mim, pudesses gritar.

Arranco com meus caninos
um beijo dos teus lábios roxos,
me corto de amor por não poder mais suportar.

Penetro a lâmina fria no meu gélido estômago
onde as vísceras da minha paixão imploram,
o teu amor, o teu amor e nada mais.

11 comentários:

fernando cisco zappa disse...

visceral
é a paixão
que arromba
aos borbotões
os roserais


valeu fábio!

Hercília Fernandes disse...

Olá Fábio,

gostei muito de seu soneto. Os sentimentos apresentam-se muito bem "entalhados" no poema.
Parabéns!

Abraços,

H.F.

Adriana disse...

Um soneto de amor entalhado nas palavras bem escolhidas. Uau!!

Renata de Aragão Lopes disse...

À exceção de ESPERAR, todos os verbos que você utilizou são enérgicos, intensos - quase violentos!

E ainda assim, a espera é por uma lágrima...

Tomaz disse...

Bastante intenso...
Amor com uma pitada de doença
Gostei!
Abraço.

Compulsão Diária disse...

Amor sufoco. Agride pra conquistar o amor e o leitor

Felipe da Costa Marques disse...

A MORDIDA no amor da vida! Como sempre amoroso aos olhos, gostoso de ler, Corvo, vc é pássaro!(rs!) Voo Mano! Abs!

Helena disse...

Tão raro encontrar um bom soneto: forte, bonito, bem construido. Parabéns.

Helena

Anônimo disse...

Soneto. Até hoje! E de amor! Haja saco!

Benny Franklin disse...

De prima!
Abçs

Alessandra Chaia disse...

Muito bom Fábio! Intrínseco! :)