terça-feira, 17 de março de 2009

Despertar-se


Acordamos devagar,
como se tivéssemos dormido somente poucas horas:

perturbados,
meio que tontos,
meio que ressacados de uma noite longa,
apesar das impressões.

O sol já a entrar através da janela,
o calor a sufocar nossos pensamentos,
a imprecisão de imagens na mente,
e tudo o mais...

A cama vazia como nossos estômagos,
como o quarto todo,
como sempre.

E outras tantas noites, então,
passam...

Nos fazendo acordar como se tivéssemos dormido somente poucas horas,
mas meio que ressacados de uma noite longa,

apesar das impressões.

6 comentários:

Cris Animal disse...

"... apesar da impressões..."

Um dia, só um dia na minha vida queria ser livre das impressões....rs
Quem sabe, se dar ao prazer ou desventura de viver apenas e nada mais. Sem as impressões.

Caramba, vou ser repetitiva neste blog, pelo que estou vendo !
Post lindo... palavras cheias de vida. Isso é bom. Isso é viajar na leitura.
Obrigada.

beijo
.............Cris Animal

Tenório disse...

Ei Diego, que poema bucólico, parece John Fante, Pergunte ao pó, dia quente, cidade vazia... muitas sensações dentro de um quarto...

Parabéns colega!!

Tenório

Fernanda Copatti disse...

Fiquei com um gostinho de: quero mais impressões...
Lindo!
Beijos

Compulsão Diária disse...

Prosa poética impressionista. A poética do espaço do Bachelard aqui

Adriana disse...

Um poema que trata do cotidiano belamente. A identificacação é imediata, as impressões também. Muito bom.

Helena disse...

Acordamos ressacados de uma noite longa, apesar das impressões - identificação total, belo poema

helena