quinta-feira, 19 de março de 2009

Cai o pano

Eu devia engolir a fala
do modo que engulo o choro
e o retenho com um nó na garganta
e outras linhas emaranhadas.

Mas a palavra me desata, me destorce
faca afiada me destrincha expondo trapos
desfia o alinhavo
da figura adquirida em banca de retalhos
mostra-me em cada laivo a artesania
dos adereços de rebotalhos

A isso que sou
...................boneca de sonho
........................................títere do som
não cabe reter a palavra que resvala.

Iriene Borges

6 comentários:

Adriana disse...

boneca de pano...bonito!

Cris Animal disse...

Oi Irene !
Ainda bem que vc não engoliu as palavras e desafiou a faca afiada para compartilhar conosco!

beijo
...............Cris Animal

rogerio santos disse...

Muito bem construido...
bjs

Compulsão Diária disse...

Excelente sonoridade, construção. Imagens da palavra e feitas com ela capazes de desatar fla e choro e o que mais estiver preso

mariagomes disse...

" eu devia engolir a fala"!!!


Bonito poema! Os meus parabéns.

maria

Barone disse...

Gostei iriene.