terça-feira, 10 de fevereiro de 2009


Arranjo

I)

e são os lençóis fogo azul
música de virar peça
água de batizar o sangue
para o corte congelar o ovo.

II)

não sai daqui uma ave
gravita nos confins das trompas
o núcleo falido do meu filho:
água congelada depois do incêndio
que não houve. atividade diluída.

III)

a dobra do travesseiro tem
há três dias a mancha do teu suor.
também obedeço a nanã e preparo
uma ambrosia do teu sêmen na ânfora
mais improvável do fogo azul.

IV)

estas receitas foram aquiescidas
pela masculinidade do ovo.
ao equívoco de teu nome sibilam
as netas do Mar: eu gostava mesmo
era quando sentada sobre ti o domínio
da música respirava em nós e nem
um esboço do nosso filho
ameaçava o que era meu e batismo
de renascimento com quatro motivos
para não amar.



8 comentários:

Adriana disse...

O ritmo e a disposição dos versos conduzem a um desfecho inusitado. Há muito para se descobrir, é preciso ler mais algumas vezes. Gostei.

Audemir Leuzinger disse...

belissimo. lembrança linda de nanã. muitas ritmos e leituras.muito bom mesmo.

Benny Franklin disse...

Um dos bons deste mês!
De prima!

Olhos de Folha Minha disse...

Bravo. Poética da boado jeito que
gosto ab

Compulsão Diária disse...

Dia de receitas.
Boas misturas aqui. Netas do mar - as sereias- sibilam esboços de futuro

Tatiana Pequeno disse...

ah! ois a todos. eu não sabia se podia dizer alguma além do poema propriamente dito.
que venham dias e dias de poesia!

Felipe da Costa Marques disse...

Quatro motivos para amar:

1-poesia 2-poesia 3-poesia 4-poesia

5X Muito bom!

bem vinda e para béns!

Barone disse...

Bem vinda.