segunda-feira, 1 de dezembro de 2008

Pétala

Cai a pétala cara a mim.
Rodopia no ar
criando nuances e cores
de pétala que vai.

É rubra enquanto cai, a pétala
que boiando no ar
tornar-se-á exangue.

Como dói ao olhar
o frenético sangrar
da flor voante.

Como sarar em meu corpo
o perene partir desta cor...?

Pétala faz parte do livro Outros Sentidos, lançado em junho.

23 comentários:

Blog do Capeta disse...

que gurizada! parabéns pelo blog...

Guto Leite disse...

Abriu em grande estilo, Victor! Denso, saudoso... no tom, nas palavras, nas imagens.

valéria tarelho disse...

Foi dada a largada! Que bela imagem você construiu, Barone!
Fica registrada minha admiração :)

Alice Salles disse...

E agora vamos que vamos fazer desse espaço algo único!

L. Rafael Nolli disse...

Quero saudar todos os participantes, sobretudo Barone, pela iniciativa. O poema abre com chave de ouro esse espaço que com certeza renderá muitos frutos. Saúdo esse espaço que será para escritores, fotógrafos, editores, pensadores, um espaço para discussão e divulgação! Abraços!

compulsão diária disse...

Bela abertura, Victor. Aos que vêm em seguida, boa sorte com as pretas pedras nesse tabuleiro poético.
Ainda que efêmera, a paixão sangra.
Gostei dessa Pétala!

Benny Franklin disse...

Que inicio triunfal, Barone!
Poema de encher a mesa do mundo.
Parabéns!

Luciano Fraga disse...

Que poética meu caro,para deixar os olhos vermelhos...Abraço.

Márcia disse...

Um poema e tanto! Que belo início, não?

rogerio santos disse...

Adorei o poema e sobretudo o projeto. Cheguei através da indicação da Valéria Tarelho, amiga de longa data. Se for possível gostaria de me agregar e colaborar. Grande Abraço e Parabéns, Rogerio Santos.
(Mandei um email para você)

Eduardo Serra Lopes disse...

mt boa esta pétala:)

um abraço

Petê disse...

Parabéns pela estréia e parabéns pelo blog.

Abraço

Felipe da Costa Marques disse...

Prolfaças!

Adriana disse...

Bom começo, parabéns, boa sorte! Bj.

Joe_Brazuca disse...

Que suas pétalas volateis e tênues
que desenham nos ares todos as cores e linhas, nos alinhave aqui neste blog e frutifique !...
Legal a sua idéia...é assim que se faz !
abs

apesardoceu disse...

É isso aí Victor.
Grande iniciativca!

Vamo lá!

fernando cisco zappa disse...

uma contradicção saborosa:

você pincela uma iniciativa
com a leveza de todas as luzes
que, incerta e certamente,
contracenará com sombras instigantes: "o poema do dia"

e traz
na estréia
o descolorir
da vida: a morte
e melancolia ante o que se esvai
o que só o olhar segura
e guarda
numa paisagem in
terna...

evoé, meu caro!

Flávio Otávio Ferreira disse...

Para a dor deste "frenético sangrar", eis a Poesia, que surge para amenizar o mal causado pela angústia da partida...

Que possamos fazer deste espaço um ambiente mágico em que o brilho esteja nas palavras, nos versos e, principalmente nesta troca mútua de experiências poéticas!!!

Parabéns Barone, pela iniciativa.

Abraços a todos que abraçaram este projeto e vamos às publicações!!!

Paz e Poesia sempre!

rogerio santos disse...

Leitura mais atenta, e a poesia dói.
a flor tem a exuberância exata de uma estação, assim como a própria vida. Mas a vida na amplitude, essa tem uma estação mais estendida, mas mesmo assim, finita. Porque um dia, o próprio sol também fará sua dança.

Cafundó disse...

Maravilhoso poema, cada poema é pétala de um existir!
Parabéns!

FLOR disse...

lindo poema
teu poema diz tudo
parabens

Audemir Leuzinger disse...

belo poema, don barone.
e alguém falou da dor.
ali, presente sempre.
lembre-se sempre que este poema iniciou tudo.
abs

BAR DO BARDO disse...

Aos poucos vou conhecendo este blogue. Parabéns a todos os participantes!