quinta-feira, 18 de dezembro de 2008

Algemas

Rasguei as ruas
sem saber
se era de mim ou de você
que eu corria,
que eu fugia,
que eu morria
em cada esquina,
em cada curva,
em cada olhar
sem direção.

Morri de medo
de cada sonho,
de cada verso
que em mim disperso
como as verdades
de outros tempos
rugiam alto
em meus ouvidos
tal qual lembrança
de anos idos.

Sangrei sozinho
em cada noite
no calabouço
estreito e frio
do medo senil.
Preso em algemas
de lírios brancos,
de sonhos doces
e de promessas
que não existem
no amanhã.

Ah... me deixe ir...
Ah... com meus espinhos...
Ah... me deixe ir...
Ah... para outros ninhos...

(Do livro "As coisas do Tempo" de Anderson Julio Lobone)

8 comentários:

compulsão diária disse...

Lindas imagens nesta cadência que me leva das ruas rasgadas para outros ninhos.

Daniel "Gárgula" Braga disse...

Parabéns! Belo demais!

valéria tarelho disse...

Lobone, obrigada!
Liberdade é uma conquista. Para algemas: sua poesia, um par de asas.

Flávio Otávio Ferreira disse...

Viajei no poema...muito bom!!!

L. Rafael Nolli disse...

Muito bom. Musical.

gisela ramos rosa disse...

Lindo este poema!
Ah... me deixei ir...

Muito obrigada por seu comentário sobre meu poema no blogue de Graça Pires. Muito obrigada!

Gisela Ramos Rosa

Benny Franklin disse...

Poema de prima!

Barone disse...

Gostei do ritmo. Bem vindo.