terça-feira, 18 de outubro de 2011

Venceu dia 10 (pago sem juros...)


Encruzilhada em Cruzília
ROGERIO SANTOS

Marquei um encontro dia dez
Mas só cheguei dia dezoito
Se o mundo deu oito giros
Rodei mil e quinhentos quilômetros
Em meu carro dois mil cilindros
Dezesseis cavalos quatro-por-quatro

Nas letras de São Thomé
Entre as montanhas de Minas
No pó da Estrada Real
Com meu amor bem à esmo
No pão-de-queijo e torresmo
de Tiradentes à Ouro Preto

Sete dias de alforria
Pelas terras de Drummond
Por Carrancas minha sina
Sem carranca de patrão
Na mente um sol sustenido
No rádio o som de Miltons

(por não postar dia 10, por perder a conexão, escrevo um poema atrasado e peço perdão...)

5 comentários:

Noslen ed azuos disse...

! muito legal seu poema, atrasado ficou com ar liberto como as terras de Minas!

ms

Kinha disse...

Gostei demais.

Jão disse...

Nessa volta pelo mundo. Tão lindo mundo de minas e sinas. O atraso é perdoável.


Abraços!

rogerio santos disse...

Valeu amigos ! bjs...

Ana Ribeiro disse...

A poesia é sua carta de alforria. Perdoado!