quarta-feira, 12 de outubro de 2011

Um sorriso Enigmático

Num dia qualquer de sol, nuvem, neblina;
Num lugar qualquer Londres, Paris, Tokio, Jundiaí;

Tanto faz...

Soldadinhos marchavam para o abismo.

Entre eles havia um palhacinho triste
que desobedecia as ordens e sempre matinha
um sorriso enigmático.

Todos o amavam, odiavam, perdoavam, julgavam louco,
enfim, invejavam.

Na verdade, a única diferença entre o palhacinho
e os soldadinhos era que ele vira o abismo de frente.

Os soldadinhos, por sua vez, tremiam
com a idéia do grande encontro com o mistério.
Sempre gostavam de imaginar que haveriam
pontes inesperadas que levariam
não ao vácuo do não-chão,
mas às desconhecidas terras paradisíacas
onde seriam recompensados por seus
tormentos de gado.

3 comentários:

Anônimo disse...

Genial!

ALAOR TRISTANTE JÚNIOR disse...

Parabéns, poeta, pela imagem, digna de reflexão.

Sergio Kroeff Canarim disse...

É amigos, obrigado. Mas parece que não tem muita gente interessada nessa reflexão. Talvez os palhacinhos tristes sejam mesmo uma raridade!