terça-feira, 21 de junho de 2011

Nós

Tu sempre me procuraste
E eu vivi à tua espera
Existíamos um para o outro,
Mas não havíamos nos encontrado

Hoje voltas a mim
E eu me devolvo a ti
Para vivermos o mistério do amor,
E dar fim, de vez, aos desencontros

Entras pela porta que me abre
E penetras em minha vida
Reenchendo-a de esperanças
Que pensei perdidas

Não, não é amor à primeira vista
É o amor antigo e eterno
Que reconheço no teu olhar suave

3 comentários:

Flavio Machado disse...

Um belo poema

abraços
Flávio

Francisco Coimbra disse...

Esse «olhar suave» torna "Nós" tão pessoal... apetece continuar a ler, procurando nele o olhar visto :) Bjs

Joe_Brazuca disse...

é uma declaração que só a "NÓS" pertence...
Singelo como o amor que guarda...

abs, Verinha !