segunda-feira, 16 de maio de 2011

Frustrações nas janelas

1
Todos os dias Janaina acordava cedo, tomava um banho frio da caixa e, mesmo sendo comprometida, passava nua diversas vezes pela janela do fundo do depósito para ser vista pelo novo vizinho, que tomava sol de óculos escuros na janela em frente. 
I
Todos os dias Nilson acordava cedo, pegava os óculos escuros e, guiado pela bengala, ia para a janela do apartamento em que morava sozinho e ficava ali sentindo o calor do sol de manhã, o toque da luz trazia lembranças de quando ainda enxergava.
2
Um dia Janaina comprou um perfume pelo catálogo e depois de usar quase metade do vidro foi para a janela e disse um "oi" para o vizinho. Um vento forte, desses que chegam tão rápido quanto vão, assustou e derrubou os óculos pretos do homem, deixando a vista os olhos brancos que fitavam o nada. Janaina gritou, fechou a janela e, furiosa, colocou um armário em frente para esquecer e nunca mais voltar a ver aqueles olhos outra vez.
II
Um dia Nilson sonhou com anjos, havia anos que não sonhava mais. Feliz e realizado foi para a janela sentir o sol. Um vento forte, desses que chegam tão rápido quanto vão, derrubou seus óculos mas trouxe um perfume que nunca tinha sentido e uma voz tão doce e suave como a dos anjos. Nilson se apaixonou e, ansioso, passou o resto do dia, e o resto da vida, ali sentado e sozinho, lembrando da voz, do cheiro e esperando o anjo passar outra vez.

Isaac Ruy

2 comentários:

Jão disse...

O Humano e seu amor de aparencias. Tão triste quanto real.


Abraços!

Cristiane disse...

Tristemente lindo!