segunda-feira, 24 de maio de 2010

____* queda



Eu te amei!
As pedras do paleolítico
bem previam...

Mas nossa primitividade
virou poeira em frágil edificação
e, das cinzas, nenhuma Fênix
ressurgiu.




11 comentários:

L. Rafael Nolli disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
L. Rafael Nolli disse...

Que beleza, Hercília. Um tom forte de desilusão! (E uma linda imagem ilustrando)
bjs

Renata de Aragão Lopes disse...

Que sutileza, Hercília!

Um amor
ditado pelos primórdios,
mas não editado pelo tempo...

E a imagem
lembrou-me Alice
no País das Maravilhas!

Lindo!

Um beijo, querida!

Jortas disse...

Lindo o seu poema.
Das cinzas não nasceu a Fenix, mas a poesia.
Adorei!

Victor Meira disse...

Triste, lindo. O retorno eterniza e prega o sentimento no passado, derramando toda a melancolia nos efeitos presentes.

A ilustração é sua?

Beijos!

Edu disse...

Admiro tanta intensidade em tão poucas palavras! Parabéns!

Hercília Fernandes disse...

Olá Amigos do Poema Dia.

Agradeço as leituras e expressões várias. Me alegram imensamente os olhares!

Peço-lhes perdão pela não citação de autoria da ilustração da Fênix. Não encontrei nada expressivo neste sentido, apenas que se encontra disponível no Google Imagens...

Beijos em todos e todas,
H.F.

tania não desista disse...

lindo hercília!
basta amar...que já valeu!
basta lembrar...foi importante!
e...novos amores surgem...sempre
trazendo belas poesias.
bj
taniamariza

Hercília Fernandes disse...

Obrigada, Tânia.
Muito me contentam as suas palavras!

Beijos,
H.F.

Flá Perez (BláBlá) disse...

adoro poedma pré-histórico assim...
bjbjbj

Ianê Mello disse...

BELÍSSIMO, AMIGA!

GRANDE BEIJO.