segunda-feira, 12 de abril de 2010

*
*
*
*
*
O Mexilhão
*
*
Úmida, rosada
incógnita
--------------------ensimesmada
--------------------nas franjas
de um silêncio entre valvas:
*
broto de um ramo distante
guardião do compasso
--------------------da maré de quadratura:
*

como tornastes
um quase obsceno
refúgio
a exalar a fragrância do cio
e do sal ?
*
que tanto almejaste
em vida
nas noites de preamar
quando fugiam-te
os sumos
nas águas da continuação ?
*
*

Túrgido grelo do tempo
embebido nas dobras
de um paramento
--------------------de vulva:
*
olhar-te assim, amanteigado
--------------------e ardente
desperta a saliva na boca

--------------------traz o encanto
da volúpia

--------------------e uma viva memória
agarrada na rocha

*
*

9 comentários:

Adriana Godoy disse...

Foi um prazer reencontrar esse poema que ficou em minha memória. Um encantamento, uma sensualidade ímpares. Mais uma vez te digo: você é um mestre das palavras, dos versos bem elaborados, das imagens inusitadas. Parabéns, Chico. Continuo sua fã. Beijo.

Assis de Mello disse...

Oi Dri,
Obrigado pelo "mestre". A gente tenta fazer o que pode. Mas nem tudo é perfeito; eu estava comendo mexilhões quando veio a inpiração. ;-)
Acho que acertei a "mão" nesse poema. É um dos que mais gosto dentre os que já escrevi.
Um beijooo,
Chico

Heyk Pimenta disse...

Assis, rapaz, esse é o mexilhão mais sensual do século. Que coisa boa ter lido o poema! De verdade. Se o nome não fosse o dado despertaria calafrios aos leitores. todas as ques~toes propostas no texto são resolvidas com imagens inesperadas e candentes. Viva!

Benny Franklin disse...

Toque de Midas!
Abs.

rogerio santos disse...

As possibilidades são imensas quando se tem o dom da escrita. Maravilha de poema.
Abraços, Rogerio

E viva o Mexilhão !! Bichinho tão raro...

Mistério do Planeta disse...

Que maravilha esse blog!

Estou encantada com esses escritos :)

L. Rafael Nolli disse...

Meu camarada, é a sua marca. Poema único. Abraços.

Barone disse...

Isso mesmo Rafael... o Assis é único.

"como tornastes
um quase obsceno
refúgio
a exalar a fragrância do cio
e do sal ?"

Assis de Mello disse...

Obrigado meninos pelos elogios. Desejo a vocês muitos mexilhões. Adriana, se você preferir miojo, tá liberada... kkk
Chico