quinta-feira, 4 de fevereiro de 2010

que me perdoem
a falta de poesia
mas uma virose

tardia e judia

da metade inferior
do meu ser

e sendo esta
minha única
metade relevante

acabei fazendo
este poema

irritante

da cintura pra cima
intermitente
que me sobrou

e o pior:
usei até a mente
coisa
que nunca prestou.

8 comentários:

Carol Mioni disse...

hehe Adorei! Não sei porque, mas me diverti! =s

Fábio disse...

Ola parabens pelo blog, estou passeando aq, gostaria de aproveitar e convidá-l a conhecer meu trabalho através do blog Ecos em www.ecosdotelecoteco.blogspot.com Forte abraço e sucesso ai com o blog viu..

Adriana Godoy disse...

de cima pra baixo ou de baixo pra cima, aprecio seus poemas. beijo.

tenorio disse...

hahahaha. sabia!! sabia que ias usar a virose a seu favor, será que foi ideia minha? rs

muito bom tião!

Batom e poesias disse...

Adorei!
Abç
Rossana

Tião Martins disse...

bom que vcs gostaram porque eu não gostei da virose não... rsrsrsr

marcos disse...

hehehe. muito boa.

Joe_Brazuca disse...

sarcástico...rs

é bom, as vezes, "escarrar na boca que nos beija"...