domingo, 20 de setembro de 2009

inspiração

a luz reflete na cerâmica do casario
o menino canta contos da lua vaga
as cores do mar aos pés das falésias
de tal formar fundem -se sons e cores
que praticamente são um só sentimento

quanta beleza há nesse inspirar
de canções e imagens
infinitamente somadas
empilhadas na memória cativa
dos versos desencantados

a voz ecoa na tarde
acariciando as feridas saradas
e não nenhum medo há do anoitecer

3 comentários:

cristinasiqueira disse...

oi Flávio,

Este poema é um passeio .Rico em imagens e puro de sentimento"o menino canta contos da lua vaga".
Lindo!

Com admiração,

Cristina Siqueira
Venha me visitar.Assino alguns blogs mas gostaria que vc começasse
www.cristinasiqueira.blogspot.com

Bezerra Guimarães disse...

lindo...

não há medo...talvez porque a magia do anoitecer
engrandece os versos des(encantados)

Márcia disse...

Belo demais, Flávio.
Um beijo bem grande.