segunda-feira, 1 de junho de 2009

algum dia virá que seja natal entre os nós altíssimos do deserto

algum dia desflorará o poema da justiça que se preveja
nas palavras que se fizeram por dentro

e eu criança ainda cante aquém
e o meu canto coincida com o rubro das rosas que desliza.


mariagomes
Coimbra,1 janeiro de 2006




8 comentários:

Barone disse...

"e eu criança ainda cante aquém
e o meu canto coincida com o rubro das rosas que desliza."


Belíssimo

mariagomes disse...

Oi Barone, oi amigos!

Estive afastada da rede por motivos alheios : avaria no servidor e depois no meu computador... mas como um asar nunca vem só, agora sou eu que estou em "reparação", com paludismo.

Obrigada, voltarei assim que o tratamento terminar e/ou me sentir melhor.


Um abraço a todos
maria

Adriana Godoy disse...

Mais um belo poema de Maria Gomes.

BAR DO BARDO disse...

gente, é sempre o primeiro poema!

maria, vós sois a gênese...

BAR DO BARDO disse...

ei, maria, desejamos melhoras!!!

sidnei olívio disse...

Belo poema, Maria, e melhoras rápidas.

mariagomes disse...

asar de asa??????
oh não isto só pode ser da medicação!!

beijinhos
maria

Bea - Compulsão Diária disse...

Sim Maria a pureza da criança diante do Natal é uma das mais belas imagens. Que seu canto coincida com o sangue vivo da causas justas