segunda-feira, 4 de maio de 2009

Obrigação

esse poema saiu de má vontade
igual menino que vai na padaria
descrente seguindo a romaria
parente longe no enterro da tia

esse poema saiu de teimosia
como cereja no meio da torta
trinco emperrado na porta
mosquinha no nariz da morta

esse poema saiu
agora é tarde
foi com a inês passear

e tão cedo não volta.

15 comentários:

Rafael disse...

Esse comentário saiu de má vontade
Como criança que não quer comer papinha.

Compulsão Diária disse...

O poema é sábio. Inês ama até os de má vontade. ele volta com nome. Espera, Tião!;) Ele saiu marrento. Agora segura.

Adriana Godoy disse...

Adorei o ritmo e a leveza. É como um pão saindo quentinho do forno da padaria.

Renata de Aragão Lopes disse...

Poema birrento!
Se foi, já era.
Sem volta.

BAR DO BARDO disse...

aos trancos, mas saiu...

que bom!

Adriana disse...

Se saiu de teimosia, meio sem jeito, ao final veio nada modorrento.

Benny Franklin disse...

Rs. Muito bom, Tião!

Guto Leite disse...

Que beleza de humor, de tom, gostei muito!

Victor Meira disse...

Eita, me pegou na corrida, haha. Ali no segundo versinho da terceira estrofe já era tarde mesmo, hahaha.

Massa, Tião!

Tião Martins disse...

Obrigado amigos.
Má vontade é coisa que dá e passa! ;)

Barone disse...

Hehe.

Tenório disse...

Rsrsrsrsrs

É uma alegria ler os poemas do Tião!

rogerio santos disse...

legal pacas...

Joe_Brazuca disse...

Sua construção é espetacularmente simples e deliciosa !
Bravo !...um dos melhores !
abs
Joe

Tião Martins disse...

Valeu Joe. Nem vou dizer que a simplicidade é meu objetivo. Acho que é minha única saída.

Abraço.