terça-feira, 24 de fevereiro de 2009

Mar de chuva e sóis


A luz no corredor
A porta entreaberta
A sala quase deserta
O relógio na parede
O perfume ainda no ar.

.........A cadeira de balanço
.........Os óculos no armário de estanho
.........A fumaça do cigarro
.........A canção no rádio
.........A foto 3
X4
.........O abajur, as cortinas, o porta-retrato.

A mesa na sala de jantar
A TV em preto e branco
O sofá, o centro, o candelabro
E os meus tamancos.

........A gravata amarela e a sua seda azul.

O colarinho em desalinho
O paletó em puro linho
O vinho tinto, a alva porcelana.

........Os discos de vinil
........Carlos Gardel na vitrola
........O velho e bom colchão de mola
........A colcha de chenil.

Os bordados nos lençóis
A purpurina, a lamparina, o brio.

Rosas, borboletas, girassóis...
Mar de chuva e sóis no meio de nós.


(Hercília Fernandes, in: Ritmo Vital, p. 21).


*Poema classificado em 5° lugar, na categoria poesia, em Concurso Literário Internacional, promovido por Arnaldo Giraldo (Edições AG), em 2006, para composição da antologia Ritmo Vital (All Print Editora-São Paulo, 2007, 118 p.).

20 comentários:

Mirse disse...

A perfeição e a elegância acompanham você, Hercília!
Esse poema retrata um cotidiano que vivemos e sequer percebemos.
Uma jóia!

Parabéns!

Beijos

Mirze

BAR DO BARDO disse...

Muito bom texto, HF, privilegiando os substantivos - parece uma câmera a nos compor uma história bem antiga...

L. Rafael Nolli disse...

Olá, Hercília! Bem-vinda ao Poema Dia!

VFS disse...

as possibilidades dos universos das coisas quotidianas.


Querida Amiga.

boa estreia!

Vicente

Lou disse...

Hercília,

Vim deixar um caloroso abraço e parabenizá-la pela estreia.

Lou

Renata de Aragão Lopes disse...

Um poema-fotografia.
Lindo.

Victor Meira disse...

Cara, a poesia encara o formato que - confesso - me deixou incrédulo no começo da leitura. São caixotes de descrições, sem supresas, mas com muita doçura. Senti como se estivesse descalço subindo uma escada aveludada de olhos fechados.

Linda poesia corajosa, Hercília.
Beijó.

Graça Pires disse...

A estante cheia de livros. Os livros cheios de poemas. De poemas da Hercília...
Um poema muito interessante, amiga.
Gosto de a ver por aqui. Visito muito este espaço. Não deixo comentários porque quase não estou a ter tempo para alimentar o meu blog.
Um grande beijo.

Compulsão Diária disse...

Ritmo vital e seguro. Senti, ao ler, o poema como se o mesmo fosse um cavalo árabe controlado por rédeas firmes e doces.
Muito bom

Marcos disse...

Juro que esperei o desenrolar do enredo. Me pareceu a descrição de cenário e personagens de um curta metragem ou peça teatral.
Parabéns pelo prêmio.

Adriana disse...

À medida que lemos os versos, as imagens vão se formando e os vários sentidos se fazendo. Muito interessante.

Hercília Fernandes disse...

Caros amigos:

“Mirze, Henrique (Bardo), Rafael, Vicente, Lou, Renata, Victor Meira, Graça Pires, Compulsão, Marcos, Adriana Godoy, poetas e leitores do Poema Dia”.

Muito obrigada pelas leituras, gentis comentários e significações concedidas ao “Mar de Chuva e Sóis”.

Estou muito feliz em fazer parte do Poema Dia. Projeto que admiro bastante, tanto por sua proposta como pelo belo quadro de autores que o compõe.

Aproveito para agradecer ao Fernando Cisco Zappa a indicação do meu nome e ao Victor Barone por ter tornado possível esse encontro.

Um forte abraço a todos e o meu sincero agradecimento.

Hercília Fernandes.

Helena disse...

Lindo poema, Hercilia, delicado como um bordado que vai se desenrolando aos poucos.

beijo,

helena

fernando disse...

hercília,

essa estréia
é um brinde
um brinde a todos que poetam

sua poesia alarga
o horizonte
quanto mais a gente adentra
na poesia
mais horizonte tem

quanto mais a gente sorve
mais há para sorver

evoé, minha caríssima!

Hercília Fernandes disse...

*Helena,

muito obrigada pelo generoso comentário e carinho expresso. Adoro o seu nome - Helena - emana sofia e beleza.

*Fernando,

você é um oceano em versos e um amigo afetuoso. Obrigada pela acolhida tão poeticamente expressiva.

Forte abraço, amigos.

H.F.

Vera Pinheiro disse...

Que bela Hercília em seu ritmo vital de versos!

Barone disse...

Belíssima estréia!

Hercília Fernandes disse...

Obrigada Vera e Barone por tão calorosa acolhida.

Forte abraço,

H.F.

rogerio santos disse...

Poema muito delicado e bonito.
Uma bela cena.
Beijos, Rogerio

Hercília Fernandes disse...

Obrigada, Rogerio.

Abraços,
H.F.