quarta-feira, 2 de fevereiro de 2011

Triângulo

Há sempre duas sombras
velando o leito
sobre o qual eu deito
meu amor

9 comentários:

Lírica disse...

Freud disse que nunca vamos para a cama só com uma pessoa... mas vc disse muito mais aqui.
especialmente no leito há mta projecão de todos os lados.

Daniella disse...

Acho q cada um interpreta como pode e como sabe. Porém, a minha interpretação pro seu poema é de que mesmo tendo intimidade com alguém, sempre fica uma "sombra", ou seja, algo oculto nessa pessoa que não conhecemos (ainda).

Kiro Menezes disse...

Teus desejares e
os saborosos mistérios...

que se tudo fosse a vista,

que sobraria ao Apaixonar-se?!



○•.



Belíssimo teu Triângulo!!!

^_^•

Daniele S.F disse...

Um poema com várias janelas abertas, cada um pode olhar por uma delas, a que mais lhe parecer apetecível.
Além de um ritmo envolvente é curto. Não sou preconceituosa, mas cada vez mais acredito que no mundo virtual o curto e conciso prende a atenção do leitor.
Parabéns a todos os poetas desse belo blog pela iniciativa, adorei!
E chega de elogios, vocês precisam de umas críticas construtivas...

Luiza Maciel Nogueira disse...

há sempre um sonho a ser sonhado no paraíso do quadro :) - inspirado aqui mesmo

beijos

Diario da Fafi disse...

O seu poema me encantou muito... Fico feliz de compartilhar o dia 2 com você....

Beijos azuis

Maria Marluce disse...

Lindo, enebriante e pungente, cada palavra, aflora um desejo.

Adriana Godoy disse...

Arrasou, Victor! Beijo

Renata de Aragão Lopes disse...

Excelente, Victor!