sábado, 6 de fevereiro de 2016

poemaLua

Quando o abajur dos amantes , em sépia, imerge
Recomenda-se uma praia
Pra ficar mais perto de Iemanjá

Um olho vigia o humor do mar
Outro a sereia
Pois Netuno enciumado
De minuto a minuto tarrafeia

Se for madrugada de calmaria
Prolonga-se o ritual de carícias até alvorecer

Agradeça, então, a poesia
Por dar um sentido a seu viver

Nenhum comentário: