domingo, 6 de dezembro de 2015

Poema falante

Ela carregava o fardo das horas
Vivia num penar sem fim
Parecia uma peça de teatro
Só que de texto ruim

Não se acata conselhos
Se o barco está de partida
Pra navegar na tempestade
A vela precisa ser recolhida

Novas rotas requerem desafios
A gente se move entre vidro e cristal
O curso é a sina do rio
A água, seu bem natural

Nenhum comentário: