terça-feira, 6 de maio de 2014

Teatro para demônios coloridos

Sobrevoa o bairro minh'alma cigana
Ele arrebata um pedaço da história

Nas matinês de domingo
Movido pelos sonhos
Eu o visitei, andarilho que fui

Meu corpo aqui está
No sul
No extremo do longe

Para sossegar meus demônios, oferto-lhes as aquarelas
Que se lambuzem de cores
Que se fundam às dançarinas

Até que a orgia escancare as portas da aurora
Tenho a derramar tanto teatro sobre meus porões...






2 comentários:

Bruna Freire disse...

Parabéns pelo blog! Adorei os poemas de vocês! Encantadores.

louca_atrevida@hotmail.com disse...

Bom dia.Maravilhoso poema adorei