sexta-feira, 6 de julho de 2012

Quatro mãos

Encurta a distância,
Uma leve carga agrega-se ao exercício aeróbico.
Incontáveis são os desenhos no caminho de casa até o mercado.

Certas pedras agrupam-se,
Parece que buscam arrimo entre arestas irregulares,
Servem de pano de fundo para um cenário revirado.
Junto ao humo, jovens folhas e frágeis galhos sucumbem à tempestade,
Rendem-se ao inverno

Para os pássaros, o cardápio no solo é promissor

Quem cozinha é a chuva, quem serve é o vento.
São dois artistas afeitos a encontros noturnos que pintam suas orgias à quatro mãos.

Nenhum comentário: