sábado, 17 de janeiro de 2009

fotografia


à beira da estrada

um cemitério

cruzes enfeitadas com
coroas de primeira-comunhão

inocência estendida entre
as lápides

num misto de saudade e
decomposição


Márcia Maia

16 comentários:

rogerio santos disse...

Certa vez, quando cursava geografia na universidade, algum professor soltou essa: "Quer conhecer um lugar, dê uma volta no cemitério, comece pelo fim". E é a mais pura verdade.

Usando ditado da minha velha mãe, dá pra "tirar uma linha" observando com atenção suas particularidades.
A riqueza, a pobreza, a longevidade, a violência, quem tem ou teve ou quem não tem ou não teve poder. Quem de fato descansou de uma vida de privações e quem perdeu o vidão que tinha.

O olhar do poeta funciona como uma máquina fotográfica onde nada passa despercebido, embora o foco seja sempre particular, possibilitando exaltar um pássaro e esquecer as tumbas.

Esse poema me fez pensar que é preciso treinar incessantemente os olhos, olhando nos olhos do óbvio, para enfim merecer enxergar e traduzir o que parece óbvio.

Na beira da estrada, um belo click da Márcia. Mesmo que do outro lado ouvesse, quem sabe, a mais bela das praias.

Poesia não escolhe paragem.

d'Angelo disse...

Um cenário que não será cartão postal, mas que faz parte desta viagem. Contrastes entre as possibilidades da estrada e um chão definitivo, cruzes e flores, nostalgia e constatação, infância e fim. Tudo em poucas e belas palavras.

Guto Leite disse...

Também gostei muito! É simples, sem ser óbvio... é muito delicado, cuidadoso, lírico. Um abraço agradecido

Jade disse...

Simples e belo, Márcia

Graça Carpes disse...

Lembrança das cidades dointerior: simples e belo.
Bjo
:)

Olhos de Folha Minha disse...

Excelente, uma cena doída, mas asas da inocencia eu vi. Perfeito! Bárbaro, pois já senti em meus olhos...
cintia thomé

compulsão diária disse...

Experiência do efêmero. Poema fotografia.
Excelente olhar capaz de transpor a cena para a folha de papel em versos. Grafou e com beleza magnífica.
show de bola.

L. Rafael Nolli disse...

Uau!

mariagomes disse...

Márcia,
é um prazer reler-te aqui.

beijo,
maria

Victor Meira disse...

Figuras firmes e estrutura simples. É gostoso de ler. Gostoso como ver uma bela fotografia.

apesardoceu disse...

putz... forte, forte!!

bjs

everton behenck

Adriana disse...

Minucioso, imagético, pura prosa.

fernando disse...

carbonário!

instante
entre a luz
e a escuridão

bela composição.

Barone disse...

Simples e forte.

Gypsy Comunicare disse...

Maravilhoso. Parabéns!

A J Lobone

samuca santos disse...

eu sabia, soube desde quando li teus textos na "eita" e me abestabobalhei com a força da tua escrita. taí, confirmadíssimo: a cada novo texto vibro intenso, profundo. viva muito e tenha toda a paz!